Campo das margaridas

Voava de olhos fechados a apreciar o vento fresco a bater na cara. Era como um pássaro livre num campo aberto, a bater asas para um destino que a ninguém pertencia senão a ela. Vivia a vida sem pensar muito. Talvez como forma de protecção, não queria simplesmente saber. Sentia as pequenas cordas que a prendiam à força à terra, soltarem-se. Finalmente. A partir daquele momento, seria dona do seu nariz, faria a mala quando quisesse, pronta a bater asas para qualquer lado se assim o desejasse. Desta vez a corrente estava a favor dela. Tinha tudo para conseguir triunfar, não ia voltar a deixar escapar a oportunidade de ser feliz. E com estes pensamentos, voava numa eterna dança de alegria.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s